Lei fascista

Os maiores partidos portugueses, em especial os gémeos PS/PSD, aprovaram há tempos uma lei fascista (não encontro uma palavra para "branquear" este atentado à democracia), a qual não me apercebi na altura. Aliás, convem não dar muita publicidade a este tipo de leis. Vão entrando pela calada.
O problema é que o Tribunal Constitucional agora decidiu aplicá-la. Os partidos políticos têm não sei quantos dias para provarem que têm um certo número de militantes; caso não cumpram são ilegalizados! Desistem de existir ou passam à clandestinidade.
Nem me interessa qual o número mínimo de militantes exigido. Proibir os partidos com base no número de militantes é simplesmente uma lei fascista. Suponho que não existe nada parecido em nenhum outro país com um regime (supostamente democrático) semelhante ao português; nem sequer nas monarquias europeias.
Não vou dar-me ao trabalho de fazer mais comentários. Quem quiser saber a opinião das principais vítimas basta ver os seus sítios na internet (há partidos pequenos para todos os gostos; procurem no Google ou outro: MPT, PCTP, PDA, PH, PND, PNR, POUS, PPM).
E nas próximas eleições não digam que os partidos são todos iguais, estão lá sempre os mesmos, etc, etc. Estes da lista acima (e da imagem) nunca governaram. Nas próximas eleições votem num deles. Se ainda existir daqui a uns meses...
23.Jan.2008.


1 comment:

Viper said...

É a lei do pobre cada vez mais pobre e do rico cada vez mais rico.